fachada-caixa

 

Logo após reduzir os recursos para o BNDES para o ano que vem, a presidente Dilma Roussef, a mesma que acusava seus adversários de quererem diminuir o poder do bancos públicos, anunciou que vai tornar a Caixa Econômica Federal privatizável. Bradesco e Itaú já estão na fila para comprar sua fatia.

Como se trata de uma iniciativa do PT, muitos simpatizantes do partido, ainda que se sintam traídos pelo disrcuro de capanha de Dilma, resistirão em admitir a traição. Muitos dirão que isso não é privatização, é apenas “abertura de capital”. algo parecido com o que disseram sobre as rodovias, quando o PT decidiu entrega-las à exploração de empreiteiras: não é privatização, é concessão?

Embora não admitam, todos sabem que admitir sócios privados equivale a perder o controle absoluto dos negócios. Os sócios que, pela lógica do mercado, tenderão, no decorrer do processo, a opinar ou até mesmo assumir o controle da instituição.

Logo após reduzir os recursos para o BNDES para o ano que vem, a presidente Dilma Roussef, a mesma que acusava seus adversários de quererem diminuir o poder do bancos públicos, anunciou que vai tornar a Caixa Econômica Federal privatizável. Bradesco e Itaú já estão na fila para comprar sua fatia.

acei

Como se trata de uma iniciativa do PT, muitos simpatizantes do partido, ainda que se sintam traídos pelo discurso de campanha de Dilma, resistirão em admitir a traição. Muitos dirão que isso não é privatização, é apenas “abertura de capital”. algo parecido com o que disseram sobre as rodovias, quando o PT decidiu entrega-las à exploração de empreiteiras: não é privatização, é concessão?

Embora não admitam, todos sabem que admitir sócios privados equivale a perder o controle absoluto dos negócios. Os sócios que, pela lógica do mercado, tenderão, no decorrer do processo, a opinar ou até mesmo assumir o controle da instituição.

Veja abaixo a matéria do site Valor.com.br

“Vou abrir o capital da Caixa, mas processo demora”, adianta Dilma

BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, enquanto deixava café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, que o governo vai abrir o capital da Caixa Econômica Federal. A presidente, entretanto, não falou em prazo para a oferta pública inicial de ações do banco público. “Vou, mas isso é um processo que demora”, limitou -se a dizer a presidente ao ser questionada sobre o assunto.

Durante o café da manhã com jornalistas, a presidente havia afirmado a importância dos bancos públicos, mas, ao mesmo tempo, cobrado maior participação de bancos privados em financiamentos de longo prazo. Dilma disse ainda que o Brasil tem de se orgulhar da governança dos bancos.

“Acho que no Brasil é fundamental que não seja só missão dos bancos públicos empréstimo de longo prazo”, afirmou a presidente. “Acho importantíssimo bancos privados participarem inclusive com novos produtos”, completou. Na avaliação da presidente, fica “mais caro para o país” financiamento apenas pelo setor público.

Dilma afirmou ainda que nos próximos anos haverá uma recuperação da economia do país, mesmo que não haja uma “grande recuperação internacional”.

Segundo enfatizou a presidente, o país dispõem de “fundamentos sólidos”, a inflação está sob controle, o Brasil continua com grandes reservas e o governo está tomando providências para melhorar a sua produtividade.

Questionada sobre a situação considerada crítica no fim da atual gestão do governo do Distrito Federal, do petista derrotado nas urnas Agnelo Queiroz (PT), Dilma evitou comentar uma situação específica. “Todos os governos estaduais estão em uma ou outra situação difícil”, disse.

Fonte:Domínio do fato.